Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Curral Quântico

We are no longer the same, you wiser but not sadder, and I sadder but not wiser (...)

3 países em menos de 3 horas: pergunte-me como (ou porquê)

   Este fim-de-semana, ante a necessidade de fazer um treino longo, pus-me a caminho da Bélgica. E como é sabido que a gabarolice está na essência do running, da Bélgica corri até à Holanda, e daí, dada a escassez de autocarros nas manhãs de domingo, vi-me obrigada a gastar sola para regressar à Alemanha. Querem ver?

 Sem Título.png

Um runner regista todos os quilómetros em três a cinco plataformas diferentes em busca de aprovação externa.

 

   Claro que eu podia ter dito apenas que fiz um Aachen-Kelmis-Vaals-Aachen pela berma das estradas nacionais — tarefa particularmente difícil na Bélgica, onde ou não existem passeios/ciclovias, ou há carros estacionados em cima dos passeios/ciclovias (senti-me quase em casa). Aliás, foi essa a versão que comecei por contar no caminho para a aula de yoga; cheguei ao ginásio com a lição bem estudada: falar em países dá uma nova e impressionante dimensão ao percurso. Parece que corri centenas de quilómetros quando, na verdade, apenas me passeei pelas bordas. Nem sequer levei documentos, porque sou branca e fluente em inglês. Se no pior dos casos me confundissem com uma brasileira, como é costume acontecer depois das duas da manhã, era só acelerar o passo. Mas, Santo Schengen nas alturas, as fronteiras passam despercebidas, especialmente entre a Bélgica e a Holanda. Quando se vem a cuspir os pulmões na subida que começa em Gemmenich, nem se sentem as vibrações do telemóvel ao receber as mensagens com os preços das chamadas no estrangeiro. De repente, olha-se para o lado e dá-se de caras com um casal de ciclistas parado no passeio — olha, parece que mudámos de país outra vez. Queriam saber qual o caminho mais curto para um lugarejo belga, e eu só olhava para as placas à procura de uma que dissesse AKEN. Seis a 7 quilómetros depois, estava debaixo do chuveiro, muito contente comigo mesma e a sentir os polegares pela primeira vez em quase 3 horas.