Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Curral Quântico

We are no longer the same, you wiser but not sadder, and I sadder but not wiser (...)

Bronze

   Nada supera o bronze ridículo do verão de 2008 (espero): na tentativa de apagar as pistas da minha vida enquanto pior tenista da península, manchei as costas de tal forma que as pessoas pensavam que eu tinha um problema de pele. Eu deixava-as persistir no erro, porque nessa altura preferia qualquer coisa a ser considerada uma imbecil - sim, sim, um problema de pele com origem na área do cérebro responsável pela palermice. Quando as manchas acastanhadas, desapareceram - após mais de um ano de esfoliação semanal -, eu tinha aprendido duas coisas: 1) nunca mais tentar pôr protetor solar nas minhas próprias costas, e 2) é quando se tenta esconder o tipo de tolice que nos leva a tentar por protetor solar nas próprias costas que surge a verdadeira estupidez.

   Este ano, o meu bronze volta a estar ridículo graças ao novo estatuto de atleta mais rápida da minha rua*. Quando me achei no direito de tirar as sandálias do sótão, notei que o contraste entre as pernas e os pés era tão grande, e de tal forma bem definido, que parecia estar com umas meias calçadas; hoje descobri que o meu par de calções de ganga preferido é mais curto que aqueles que uso para correr: imediatamente abaixo da bainha, há uma faixa de pele leitosa impossível de esconder. Mas isto não é o pior. Na articulação do cotovelo (vista anterior) tenho desenhadas as marcas do ângulo que o braço faz com o antebraço quando corro, os dois lados de um triângulo preenchido a branco e veias azul-esverdeadas. A transição dos tons não é nada subtil, parece que tenho o braço sujo. As pessoas riem-se quando as faço reparar no pormenor: olhem para estes melano-pictogramas, para a forma como eles denunciam a flexão exagerada dos meus braços quando corro, como troçam do defeito.

   A solução é ir para a praia, dizem-me, mas detesto a ideia de estar seminua num areal cheio de gente. O mítico escaldão de 2008, arranjei-o no meu quintal. Gostaria de praia se tivesse uma só minha. Ninguém me quer oferecer uma praia?

  

*Não é grande feito. Aliás, tanto quanto sei, posso mesmo ser a atleta feminina mais rápida da minha vila por falta de concorrência. Exemplo: tenho 4 CR's em segmentos do Strava porque sou a única mulher que alguma vez passou por ali; olhando para o overall leaderboard, estou em último lugar em dois deles.